Você conhece os quatro elementos da liderança autêntica?

Por Thaís Farsen

Desde as primeiras construções teóricas e práticas sobre liderança muita coisa mudou. Tanto as teorias que partem do entendimento da liderança como um traço de personalidade e mérito de alguns perfis quanto as teorias que esquematizam comportamentos específicos que devem ser esperados de um líder foram sendo corroboradas e desconstruídas. Nesse caminho, novas formas de olhar para a liderança foram ocupando espaço: um processo que podemos construir e melhorar ao longo do tempo, por meio das experiências e conhecimentos que vamos obtendo sobre nós e o mundo.

As mudanças presentes no âmbito do trabalho, economia e sociedade têm demonstrado a necessidade de outros estilos de liderança, que permitam abarcar as complexidades inerentes aos novos tempos. Mais que isso: que supram as necessidades das pessoas, das empresas e, principalmente, da própria pessoa que vive o processo de liderança.

Novos cenários demandam o desenvolvimento de novas habilidades, ou às vezes não tão novas. Isso nos indica a possibilidade de resgate de habilidades já existentes, mas que podem ter sido reprimidas por diversos motivos. Nesses casos, a autenticidade tende a ser subtraída por características ou comportamentos específicos que se pede que a liderança tenha.

Esses comportamentos ou características podem descaracterizar o protagonista do líder, o colocando em risco de valores e favorecendo a implementação de um estilo de liderar desalinhado com seu verdadeiro Eu.

Ser o que precisa ser

É diante desse cenário de desajustamento que surge a ideia de liderança autêntica, uma das teorias mais atuais sobre liderança. Advinda da Psicologia Positiva, que tem como foco o lado funcional e as potencialidades das pessoas e grupos, a liderança autêntica parte do pressuposto de que o verdadeiro líder é aquele que vive sua autenticidade. O que não significa apenas ser o que se é, mas também ser o que se precisa ser, levando em consideração o contexto e as pessoas e alinhado àquilo que se é.

Os quatro elementos que compõem a liderança autêntica nos mostram o quão complexo e necessário é desenvolvê-la.

  1. Autoconsciência: remete à clareza sobre quem se é, pontos fortes e a desenvolver. É o nosso “insight” pessoal, construído a partir da autorreflexão, da descoberta dos seus valores pessoais e da sua identidade.
  2. Transparência relacional: refere-se à capacidade de conseguir ser quem se é na relação com os outros, sem melindres ou a necessidade de construir uma “persona”. Nessa característica entra a possibilidade de o líder compartilhar sua vulnerabilidade e não ter vergonha daquilo que genuinamente é.
  3. Processamento equilibrado: é a capacidade de agir com inteligência emocional, flexibilidade e resiliência, sendo capaz de processar as informações, por piores ou melhores que sejam, de forma ponderada, se utilizando da escuta ativa e sem julgamento, da presença e da comunicação assertiva.
  4. Perspectiva moral e ética: temos aqui um dos princípios mais humanos presentes no modelo da liderança autêntica. Refere-se à habilidade de se preocupar verdadeiramente com o outro, se utilizando de valores que demonstrem consciência coletiva. A liderança aqui preocupa-se com o seu papel social: ajudar o outro, orientar e por vezes desenvolver. O líder aqui, se mantém atento às necessidades dos seus liderados e se estão ou não sendo satisfeitas.

Como está a sua liderança autêntica?

Ao olhar para essas dimensões como você avalia que está sua liderança autêntica? O que identifica que precisa aperfeiçoar ou desenvolver? Uma coisa é certa: ao buscar desenvolver sua autenticidade, o líder aumenta suas chances de construir equipes engajadas, amplia a sua conexão com as pessoas e com isso a possibilidade de gerar resultados diferenciados para todos os envolvidos.

Além disso, estará contribuindo para a construção de organizações saudáveis, que prezem pelo bem-estar e pela satisfação de seus colaboradores, entendendo que esse é um diferencial social e competitivo.

Na Light Source, auxiliamos no desenvolvimento de lideranças, fornecendo ferramentas e apoio para o desenvolvimento e ampliação da sua autenticidade, afinal não há nada maior do que ser quem verdadeiramente é.

Thaís Farsen é psicóloga e consultora da Light Source

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 3 =