Fit Cultural: deu match entre você e sua empresa?

Por Léia Wessling e Regina Weber

A palavra fit, do inglês, pode ser traduzida como encaixe ou ajuste de algo. No ambiente de trabalho, ela conceitua em uma única palavra toda a complexidade que significa o alinhamento de um profissional à cultura da empresa – valores, comportamentos e propósito. Ou seja, visão de mundo.  

O fit cultural é a medida em que os seus comportamentos e atitudes se adaptam aos valores fundamentais e comportamentos coletivos. Para isso, você precisa conhecer-se  e também a empresa onde você trabalha.

Assim como os critérios funcionais e as soft skills, o fit cultural tem sido buscado e avaliado pelas organizações. Afinal, quanto maior o alinhamento cultural, maior também a probabilidade de envolvimento, motivação e engajamento das pessoas na construção da carreira com a empresa e as suas responsabilidades.

A cultura é única, mudando de empresa para empresa.  Assim algumas pessoas se encaixam em um tipo de empresa e em outro não. Os seus valores centrais como profissional precisam coincidir com um conjunto de valores de negócios e um ambiente de trabalho específico para que o fit cultural aconteça. Para que dê match e você se sinta realizado, ao mesmo tempo em que gera os melhores resultados.

Avaliar fit cultural é avaliar compatibilidade de estilos e possibilidade de trabalho. O que um busca e o que o outro tem a oferecer: trabalho remoto ou presencial, em equipe ou individual, hierarquia ou modelos descentralizados, de mudanças constantes ou estável, competitivo ou cooperativo, social/ambientalista ou uma empresa que processa os recursos naturais, gestão direcionadora ou que possibilita uma atuação mais independente, de grande pressão e ritmo frenético ou que permita equilíbrio com sua vida pessoal.

Satisfação e realização são prioridades

O fit cultural começa a ser prioridade sobre qualquer outro benefício que a organização ofereça, porque ele possibilita satisfação e realização, refletindo em um ambiente de trabalho mais positivo e, consequentemente, de maior desempenho. Por isso, é tão importante a empresa deixar claro a sua cultura: quais são os seus valores? Quais são os comportamentos, atitudes e mentalidades que quer estimular?  

Mas avaliar fit cultural não pode ter como objetivo a padronização das pessoas, ou seja, que todas devem gostar das mesmas coisas e agir da mesma maneira, porque as empresas precisam de pessoas que tenham perspectivas diferentes. A cultura não é estática e cada profissional acrescenta algo na construção e movimento dessa cultura, e essa construção conjunta e contínua é muito positiva.

Avaliar fit cultural também não pode ser um julgamento de valor sobre as pessoas.  Não pode ser conflitante com a diversidade, equidade e inclusão, tão necessários para o enriquecimento do ambiente organizacional e, consequentemente, da própria cultura.  

Na verdade, só uma cultura conhecida e disseminada, pode se refletir num conjunto diversificado de pessoas que pensam, olham e agem de maneiras diferentes, mas caminham com o mesmo propósito. Porque não se trata das escolhas pessoais e nem das possibilidades de cada um, mas sim da conexão com os mesmos valores.

Os principais benefícios do fit cultural:

  • Retenção: profissionais com fit cultural com a empresa tendem a sentir-se mais felizes, satisfeitos e conectados;
  • EnvolvimentoEngajamento: profissionais que compartilham das mesmas crenças que a empresa, tendem a sentir-se mais confiantes, comprometer-se mais e ir além das suas responsabilidades;
  • Desempenho: profissionais que acreditam nos objetivos e valores do negócio tendem a engajar-se mais nas metas e resultados;
  • Coesão: profissionais que trabalham em conjunto com os mesmos valores centrais tendem a formar equipes melhores de trabalho;
  • Comunicação: quando os valores estão alinhados, os profissionais naturalmente são mais comunicativos e colaborativos.

Avalie-se! Aqui propomos algumas perguntas

Quando líderes são contratados e promovidos em organizações, quando empreendem ou assumem a liderança de um projeto, passam a influenciar ainda mais fortemente nos processos e padrões comportamentais das equipes. Por isso, torna-se essencial tanto uma avaliação externa para ampliar o autoconhecimento sobre seus valores – aquilo que não abre mão no seu trabalho e comportamentos que concorda em flexibilizar. Assim como, também, para a empresa, avaliar, dialogar e combinar os padrões culturais desejados e em transição e o tipo de contribuição que o líder vai dar para a evolução cultural da empresa, é o caminho para a construção de uma relação próspera e de resultado.

Para você, líder, importante fazer-se as seguintes perguntas:

  1. Qual é meu propósito de carreira? O que estou disposto a ser e a fazer?
  2. Meu propósito e meus valores estão compatíveis com o que encontro aqui nesta empresa?
  3. Em que medida posso contribuir para a evolução cultural aqui? Em que tempo? E como adicionar novos modelos?


Para você, empresa, importante ter clareza, avaliar e dialogar com seus profissionais a respeito de:

  1. Propósito da Empresa (para que existimos? O que nos inspira?)
  2. Valores e Comportamentos – desejados e não desejados! São os dos e don’ts da cultura!
  3. Quais as expectativas da empresa sobre os seus profissionais e líderes? Em que medida os valores pessoais estão alinhados com os valores desejados para a empresa?

Gerir Fit cultural é um esforço conjunto que exige auto-avaliação, diálogo e combinados constantes para que se desenvolva o fit cultura. 

E aí, deu match?


Léia Wessling é psicóloga e sócia-diretora da Light Source;
Regina Weber é psicóloga e consultora da Light Source

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =