Felicidade e propósito na Cultura Organizacional

Por Thaís Farsen

Você já se perguntou qual é a Sua Razão de Ser?
Há um motivo que o impulsiona a estar e agir no mundo?

Essas são algumas perguntas que precisamos fazer para começar a compreender o nosso propósito.

Propósito significa intenção ou aquilo que se busca alcançar; objetivo, finalidade, intuito. Fred Kofman, economista, autor do best seller Liderança e propósito: o novo líder e o real significado do sucesso, diz que o propósito tem dois componentes principais: dar sentido à vida (cognição) e ter senso de finalidade (motivação).

Em termos individuais, ter clareza do propósito nos auxilia a fazer escolhas assertivas. Também ajuda a nos colocar em locais que favoreçam o engajamento e a motivação, nos auxilie a lidar positivamente com as adversidades e nos permita sentirmos mais felizes e satisfeitos.

Trabalho com propósito X significado para a vida

Estudos recentes na área da Psicologia Positiva das Organizações e do Trabalho (PPOT) demonstram que realizar um trabalho com propósito pode contribuir para que as pessoas o vejam como uma importante fonte e manifestação de significado em relação à vida.

Em 2016, os pesquisadores Frank Martela, da University of Helsinki na Finlândia, e Michael Steger, da Colorado State University, demonstraram em pesquisa que é desejo do ser humano deixar sua marca no trabalho e, para isso, é necessário que percebam coerência, significado e propósito naquilo que fazem.

Nesse sentido, conhecer e trabalhar a partir do seu propósito e, acima de tudo, perceber alinhamento com o propósito organizacional, pode ser fator promotor de engajamento, comprometimento e levar ao alto desempenho. No livro Felicidade dá lucro, publicado em 2015, o empresário Márcio Fernandes salienta que ao investir na valorização das pessoas e nos seus propósitos, as organizações tendem a alcançar um maior engajamento dos trabalhadores, obtendo resultados positivos na rentabilidade.

Para compreender qual é o propósito da organização, outra pergunta pode ser feita: para que existimos? A resposta permite compreender qual é razão da empresa ser e estar no mundo.

Uma cultura organizacional baseada no propósito, onde o “jeito como as coisas são feitas aqui” faz sentido para todos os envolvidos — acionistas, gestores, equipes, parceiros e clientes — e onde as pessoas percebem que seus valores pessoais ressoam, pode facilitar a identificação do propósito individual com a razão de ser da empresa.

 

Felicidade como ofício

Conhecer e reconhecer propósito e valores, tanto em nível individual quanto organizacional, não é tarefa fácil, mas muito enriquecedora e leva organizações e pessoas a evoluírem e se lançarem em transformações.

Alinhamento entre o que sou e o que é empresa onde trabalho, e o que quero e de que modo esse desejo se aproxima ao que quer a empresa, aliado a outros fatores como condições adequadas, relações saudáveis entre líderes e liderados, podem favorecer a construção da felicidade no trabalho. Fatores que auxiliam na percepção de sentido e significado do ofício para o colaborador, além de impactar na rentabilidade da organização.

Embora tenhamos valores que sejam essenciais e que não abrimos mão, as vivências em cada fase de nosso ciclo de vida, tanto de uma pessoa quanto de uma organização, podem exigir que passemos a ter novas crenças e valores. Isso demonstra que é possível que passemos a acreditar e valorizar novos aspectos que antes não eram importantes para nós. Portanto é possível mudar alguns valores, ainda mais quando eles deixam de fazer sentido e ter propósito nas nossas vidas, sejam pessoais ou organizacionais.

A Ligth Source é parceira nesse processo e possui ferramentas como o Assessment Cultural, que podem auxiliar você e sua empresa a atuarem a partir de um propósito comum, com o alinhamento de valores e crenças.

 

Thaís Farsen é psicóloga, mestre e doutoranda em Psicologia do Trabalho e das Organizações (UFSC) e consultora da Light Source.

 

Referências

KOFMAN, F. Liderança e propósito: o novo líder e o real significado do sucesso. Rio de Janeiro: Harper Collins, 2018.

FERNANDES, M. Felicidade da lucro: lições de um dos líderes empresariais mais admirados do Brasil. São Paulo: Portfolio- Penguin, 2015.

WRIGHT, T. A.; CROPANZANO, R. Psychological well-being and job satisfaction as predictors of job performance. Journal of Occupational Health Psychology, n. 5, p. 84–94, 2000.

MARTELA, F.; STEGER, M. F. The three meanings of meaning in life: distinguishing coherence, purpose, and significance. The Journal of Positive Psychology, v. 11, n. 5, p. 531-545, jan. 2016.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + onze =