Pergunte ao CEO: cultura e liderança são dois lados da mesma moeda?

Edgar Schein, autor de best-sellers em Cultura e Liderança Organizacional e professor emérito do MIT Sloan School of Management, na frase “cultura e liderança são dois lados da mesma moeda” provoca o líder a refletir o quanto seus próprios valores e comportamentos criam e/ou sustentam os comportamentos e valores de grupos e organizações.

Jack Welch, 82 anos, chegou à GE com 25 e, aos 41, tornou-se CEO. Suas primeiras palavras como líder foram: “Eu quero uma revolução”. A ambição de estar na liderança, a postura informal e os movimentos de desverticalização da estrutura e de valorização de pessoas de alto desempenho marcaram a cultura da empresa.

Steve Jobs (1955 – 2011), fundador da Apple, aos 25 anos iniciou uma revolução na indústria de computadores pessoais, nos filmes de animação, no mundo da música e dos telefones celulares. Com estilo inventor e visionário, Jobs era apaixonado pelo produto e pelos negócios. As lições de foco, paixão e inovação influenciam não apenas a cultura Apple (colaboradores e clientes) como também inspiram outros tantos empreendedores.

Elon Musk, 47 anos, empreendedor, filantropo, visionário e executivo, desde os 24 empreende nas áreas de mobilidade, internet, energia renovável e espaço sideral. O estilo de liderança dele é marcado pela missão de transformação e obsessão pelo alcance de uma visão arrojada de futuro, conectando-se o tempo inteiro com as pessoas.

O estilo de empreender de um CEO reflete práticas de liderança e gestão

Sim, nos exemplos de Welch, Jobs e Musk, liderança e cultura são dois lados da mesma moeda. Seu estilo de empreender, as pessoas que trabalham com você, sua forma de se comunicar, delegar, comprar, vender e distribuir resultados são refletidas em práticas de liderança e gestão, que, por sua vez, influenciam e direcionam o comportamento das pessoas.

Esses comportamentos, por tantas vezes repetidos, tornam-se crenças arraigadas e invisíveis. E assim seu estilo e sua empresa atraem pessoas e negócios com valores e comportamentos que se conectam. E é aí que se forma a cultura organizacional.

Mas o que esses líderes, que marcam diferentes décadas, têm em comum?

  • São apaixonados pelo que fazem
  • Conectam-se com as pessoas
  • Comunicam e aplicam suas crenças
  • Enxergam novos cenários
  • Persistem em uma visão de futuro
  • Entregam resultados para a sociedade

Quanto maior a responsabilidade hierárquica de um líder, maior sua influência para a construção e sustentação de uma determinada cultura.

Nesses três exemplos, temos pessoas que fazem de sua marca pessoal a cultura organizacional. E você: que marca está imprimindo na cultura da sua empresa?

Por Léia Wessling, diretora da Light Source

Leia também

Cultura Organizacional: o fator humano das transformações

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] liderança, via de regra, está associada a expectativas masculinas. Vemos inclusive muitas mulheres […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 11 =