Você é um change manager? Avalie sua capacidade para gerir mudanças

Você sabia que mais de 70% das iniciativas de mudança fracassam? E que há um percentual de 65% de relatos de lideranças sobre esgotamento ao se fazer muitas transições ao mesmo tempo? Os dados são de pesquisas de referência da Gallup e da PWC.

Na prática, esses índices se confirmam nos relatos de líderes e colaboradores de empresas diante das transformações organizacionais, seja para a manutenção da competitividade da empresa seja para projetos ambiciosos de crescimento. Grande parte das empresas conhece muito bem como desenvolver um plano para que suas intenções de mudança se efetivem. No entanto, o maior desafio não está num projeto bem desenvolvido, mas sim na gestão do elemento humano das mudanças, que se chama change management.

Change Management, ou gestão de mudanças, é o modo como se gerenciam as pessoas em um projeto de mudança. É mudar com as pessoas. A mesma pesquisa da PWC indica que 64% das lideranças entrevistadas consideram a cultura organizacional mais crítica do que a estratégia ou o modelo operacional. Este dado diz muito sobre porque muitas das iniciativas não se sustentam ao longo do tempo. Muito mais do que serem capazes de gerir um grande projeto de mudança, lideranças precisam estar preparados para gerirem emoções humanas.

Sete questões sobre sua capacidade de gerir mudanças

Então vamos lá. As questões abaixo, inspiradas em John Kotter, autor de Liderando Mudanças, podem ajudar na autoavaliação sobre sua capacidade para gerir mudanças.

  1. Você e sua equipe têm clareza sobre quais os motivos que levam ao projeto de mudanças? Saber o porquê da mudança é chave para manter senso de urgência e apetite pelo novo.
  2. Você faz parte ou reuniu uma equipe coesa, capaz de produzir a mudança necessária? Mais do que chamar os responsáveis, é necessário que a equipe de mudança queira trabalhar junto e compartilhar os desafios.
  3. Você e sua equipe sabem aonde se quer chegar com as mudanças? Nada substitui uma visão clara e ambiciosa sobre o futuro mais desejado. Quando se compartilha o sonho a chance de se tornar realidade fica muito maior.
  4. Você e sua equipe têm clareza e sentem-se empoderados para produzir as mudanças? Comunicar, reconhecer forças e capacidades e planejar recursos torna o caminho mais seguro. Dialogar sobre medos e ansiedade, por incrível que pareça, também reduz a insegurança.
  5. Você e sua equipe celebram as conquistas do processo de mudança? Pequenas e grandes entregas e resultados devem ser lembrados e comemorados. Reconhecer o caminho já percorrido e os quick wins reduz o tamanho dos obstáculos e renova a esperança e o otimismo.
  6. Você consegue identificar as resistências e intervém diretamente sobre o que ameaça as mudanças necessárias? A coerência entre o discurso e a prática é um grande impulsionador da mudança. O change manager atua sobre pontos de resistência usando empatia e a orientação clara diante de comportamentos e processos contraproducentes.
  7. Você e sua equipe estão adotando novos hábitos? O aculturamento das pessoas diante do novo é o que torna a mudança sustentável ao longo do tempo. Repetição e persistência resultam em novos hábitos, que alteram os comportamentos, que, por fim, evoluem e sustentam uma nova cultura.

Agora que você pôde avaliar os diferentes aspectos do seu desafio como change manager, pode estar se perguntando como lidar com as próprias dúvidas e ansiedades que mudanças também geram em você mesmo. Por isso, o processo mais relevante em change management acontece com o próprio líder, na medida em que se coloca em evolução e aprendizagem junto com a mudança.

Aquele que reconhece suas dúvidas e fraquezas e que ao mesmo tempo acredita na capacidade das pessoas em superarem-se a si mesmas é um verdadeiro gestor de mudanças. Um change manager é capaz de, a cada mudança deixar novos patamares para uma nova mudança, como nos acenou Maquiavel.

Por Léia Wessling, psicóloga, empresária e consultora. É sócia-diretora da Light Source